| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Work with all your cloud files (Drive, Dropbox, and Slack and Gmail attachments) and documents (Google Docs, Sheets, and Notion) in one place. Try Dokkio (from the makers of PBworks) for free. Now available on the web, Mac, Windows, and as a Chrome extension!

View
 

Análise Semiótica : Sôroco, sua mãe e filha

Page history last edited by PBworks 13 years, 10 months ago

 

"Sorôco, sua mãe, sua filha" é um conto de Guimarães Rosa que tematiza a loucura e o comportamento das pessoas com relação a ela. A análise é feita nos três níveis, discursivo, narrativo e profundo, na qual, descobre-se um Autor preocupado em dissecar o louco que é a vida humana, como o normal é ser louco e como a vida só é possível em solidariedade.

A superfície do conto parece apontar para um quadrado semiótico onde se opõem normalidade e a normalidade; o discursivo desenha-se figuras que nos conduzem aos poucos a outro quadrado semiótico, onde o que pesa é a solidariedade/não-solidariedade versus a solidão (sozinhidão) /não-solidão, sempre com uma estrutura básica onde a questão passa a ser a vida/não-vida versus morte/não-morte. Esta oposição fundamental deste conto é constituída pelas duas categorias dos contrários LOUCURA X NORMALIDADE, sendo esta o termo eufórico e aquela, o disfórico. Num nível mais abstrato, loucura é reificação do humano, sua descaracterização, o que nos permite inferir o quadrado semiótico:

Aos termos contrários / louco X normal/ contrapõem-se os termos subcontrários, seus contraditórios / não-louco X não-normal/.

A loucura "reificada" corresponde, por sua vez, em nível de maior abstração, à morte; a normalidade, à vida. Donde a correspondência com o quadrado semiótico:

A descrição da loucura, a sanção do "longe", a reificação das duas loucas despachadas para longe, para sempre – Isso não tinha cura, elas não iam voltar, nunca mais – é uma leitura de superfície, posto que a marca da loucura toma conta de Sorôco e de todo o povo do lugarejo; uma sanção pelo avesso, que a análise mais profunda nos permite desvelar.

A sintaxe de nível fundamental nos descreve o funcionamento desse quadrado em duas operações ou movimentos antitéticos:

a. Afirma a loucura, nega a loucura, afirma a normalidade: com relação às loucas.

b. Afirma a normalidade, nega a normalidade, afirma a loucura: com relação a Sorôco e ao povo do vilarejo.

A estrutura elementar em vaivém nos permite concluir que o /louco/ tem traços de /normal/ e, vice-versa, que o /normal/ tem momentos e traços de /louco/, não fosse um terceiro movimento, que inclui todas as pessoas do lugar na mesma operação de Sorôco. Todos a acompanhar aquele canto sem razão ... ninguém deixasse de cantar. E a "sensatez", que todos buscavam, deixa-se cair as máscaras: nem ninguém entendia o que se fizesse! É a loucura de todos? Ironia: nega-se na enunciação o que se afirma no enunciado, todos tão /loucos/ como é próprio dos humanos, logo tão /normais/ – na normalidade possível dos seres relativos.

O que fica como conclusão é outro quadro semiótico:

Portanto: /loucura/ faz parte da /vida/ e não da /morte/, em que pesem as diferenças, semas variáveis do mesmo semema /vida/.

O caminho da /morte/ não é a marca da /loucura/, mas aquele que, passando pela /não-solidariedade/, conduz à /morte da solidão/ ou "sozinhidão", neologismo roseano. Em "Sorôco, sua mãe, sua filha", com a "chirimia" da cantiga, ainda que ecoe "um quê de loucura no ar", dá-se o acorçôo do canto que, estabelecendo elos humanos de participação, garante o apoio da "terceira perna" que é o sustentáculo da vida humana.

A sintaxe narrativa deve ser pensada como um espetáculo que simula o fazer do homem que transforma o mundo. Para entender a organização narrativa de um texto, é preciso, portanto, descrever o espetáculo, determinar seus participantes e o papel que representam na historiazinha simulada.(Barros, p. 16)

Com isso, podemos destacar alguns elementos da análise de nível narrativo, que nos permite assistir ao “espetáculo” montado pelo enunciador-narrador que, já o sabemos, partiu de um nível mais profundo, duma sintaxe e duma semântica de base, para a narrativa complexa, em que uma série de enunciados de fazer e de ser (de estado) estão organizados hierarquicamente (Fiorin, p. 22)

O espetáculo que a sintaxe narrativa vai nos apresentar, com a ajuda das modalidades veredictórias da semântica narrativa, trata-se de um jogo de aparências que se desvelam, um jogo de máscaras que caem na prática do acontecer das coisas que se tecem e entretecem, apesar das aparências em contrário e das ideologias que as sustentam.

Na fase da sanção, a narrativa pode pôr em ação um jogo de máscaras: segredos que devem ser desvelados, mentiras que precisam ser reveladas, etc, alerta Fiorin (p.24). É o que se verifica com a surpreendente sanção negativa dos "heróis": tanto o sujeito de estado quanto o sujeito do fazer passam do estado de "normais" para o estado de "loucos", dentro do seu próprio programa. Em vez de solucionar o problema da loucura, o afastamento das duas loucas faz com que a loucura se aposse de todos. Há um anti-programa, um anti-herói que surge inequívoco, arrasador. Um anti-destinador impõe-se implacável, revolucionando o mundo dos valores, transformando o valor /loucura/ aplicado às "duas" em apenas uma das diversidades desta vida, que tanto o sujeito de estado quanto o sujeito do fazer podem viver na prática do acontecer das coisas, o que tanto porfiavam em saber. Quando o narrador, em debreagem enunciativa de primeira pessoa, identificando-se com o sujeito do fazer ("a gente"), conclui que "Foi o de não sair mais da memória. Foi um caso sem comparação", refere-se a essa transformação operada por um Anti-Sujeito, dentro de um novo Programa, que nega a oposição fundamental /Louco X Normal/ e estabelece uma nova axiologia /Solidário X Só/, ligada às categorias /Vida X Morte/.

Destinador-julgador, o Anti-Sujeito faz a "sanção cognitiva" do sujeito, ou interpretação, e a "sanção pragmática" ou retribuição (Barros, p. 31). Pela interpretação, faz o reconhecimento do sujeito, reconhecendo os estados como falsos ou verdadeiros, secretos ou mentirosos. A verdade da /Loucura/ atribuída às duas (é + parece) desvela-se como mentira (parece + não é). Idem com relação à verdade da /Normalidade/ atribuída a Sorôco e às pessoas do lugar. A partir da manifestação p/-p (parecer / não-parecer) vai inferir-se a imanência de s/-s (ser / não-ser). É ou não-é (louco / normal) é inferido pelo sujeito a partir das aparências parece ou não-parece, o que o Anti-Sujeito nega, uma vez que as marcas externas, os gestos, a cantiga arrítmica, o estranho pertencem a todos, apenas em momentos diferentes.

Quanto à sintaxe discursiva, esta se ocupa com as "projeções da enunciação no enunciado" e com as "relações entre o enunciador e o enunciatário" (Cfr Fiorin, p. 39ss), uma vez que o ato de produção do discurso, a enunciação "deixa suas marcas no discurso que constrói" e busca persuadir o enunciatário, realizando um fazer persuasivo que o leve a um fazer interpretativo correspondente.

Na descrição dos níveis anteriores, foram feitas alusões a esses mecanismos discursivos, uma vez que a separação em níveis é apenas uma distinção metodológica para forçar a análise a uma profundidade crescente.

No ato de produção do texto, o nível profundo ou fundamental precede o narrativo e culmina com o discursivo. Na análise, o nível superficial vem em primeiro lugar, observam-se primeiro os efeitos de sentido, para se chegar à significação profunda. Assim, preferimos, no presente trabalho, partir do fundamental para o superficial, o que, em obrigando a contínuas idas e vindas, tencionava deixar mais claro o percurso gerativo do sentido.

Se as coisas começam deveras é por detrás, isto é, se a verdadeira significação está em níveis cada vez mais profundos, o que tentamos desvelar na análise das estruturas sêmio-narrativas e discursivas do conto "Sorôco, sua mãe, sua filha" de João Guimarães Rosa, o mérito cabe aos avanços da teoria greimasiana. Espero com isso ter contribuído na construção da "gramática do conteúdo", que nos permitirá a caminhada cada vez mais segura pelos ínvios labirintos do significado, revestido e mascarado pelo discurso do enunciador que se esconde, mas deixa suas marcas.

Há um mundo mítico a se fazer história neste conto roseano, "há um quê de loucura no ar" a se impor dissonante e desconexo. Mas há também a ideologia dum novo mundo mítico que nos fará vencer essas barreiras intransponíveis e somar nossa "parole" à cantiga de todos. Em níveis crescentes de profundidade, podem ler-se melhor e a fundo obras tão bem estruturadas esteticamente.

 

 

 

 


Bibliografia

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria Semiótica do Texto. São Paulo: Ática, 1990.

CHABROL, Claude. Semiótica Narrativa e Textual. Trad. Leyla P. Moisés et al. São Paulo: Cultrix, 1977.

COURTÈS, J. Introdução à Semiótica Narrativa e Discursiva. Coimbra: Almedina, 1979.

FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto, 1989.

GREIMAS, Julien Algirdas. Maupassant: La Sémiotique du Texte – Exercices Pratiques. Paris: Éditions du Seuil, 1976.

LOPES, Edward. Fundamentos de Lingüística Contemporânea. São Paulo: Cultrix, s/d.

RECTOR, Monica. Para ler Greimas. Rio de Janeiro: francisco Alves, 1979.

ROSA, João Guimarães. Primeiras Estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

 

 

 

 

 

 

  

 

UFRN – UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

CCHLA-DEPARTAMENTO DE LETRAS

DISCIPLINA: LITERATURA BRASILEIRA V

PROFESSORA: MARIA FRANCINETE DE OLIVEIRA

ALUNOS: ROSA THAIZA SOARES

                  ANA PATRICIA BARBOSA DA SILVA

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.